O que conseguimos salvar do foro antigo Gendercare

 

Auto-percepção de Genero e Cerebro Basal

Gendercare.com Forum => General Boards => Inovação em Sexologia => Auto-percepção de Genero e Cerebro Basal

Posts by: Martha Freitas

September 18, 2009, 4:47pmQuote Report to

Posts: 138

Link para o abstract do paper


http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pu.....anel.Pubmed_RVDocSum



Eu creio que os corpos amigdaloides, como a estria terminal e a região pre-optica do hipotalamo - entre outras regiões basais do cerebro, estão relacionadas à identidade e ao genero na identidade.


Não de forma SIMPLISTA, tipo azul ou rosa, mas em escala sinaptica, ou dendritica,em escala micro ou nano, existem aspectos geneticos, endocrinos, que DE FORMA COMPLEXA, terminam por gerar a auto-percepção da identidade M, F, MtF, FtM, intergenero, androgina, em inumeras gradações - num espectro possivel de diversidades.


Esse dado de em meio a uma disfunção epilética, em uma pessoa (uma mulher sem disforia de genero em condições usuais) COM TUMOR NAS AMIGDALAS (no cerebro basal), ocorrerem delirios ou alucinações FtM quando se manifesta a falta de sincronicidade da epilepsia, é muito interessante e ainda corroborador de nossa hipótese - que defendemos desde antes de 1998 com o Meu Sexo Real, de que o sexo, a auto-percepção do genero está no cérebro basal, e é um cerne que governa a auto-percepção por toda a vida.


Hipótese que publicamos desde 1998 - escrevemos em 1995, conseguimos publicar em 1998.


Essa hipotese, que norteou minha dissertação de mestrado na Gama Filho em 2000-2002, até hoje não foi falseada por nenhum dado cientifico, nem por este - pelo contrario, ela é mais uma vez confirmada.


Obrigada.


-__________________________________________________________________

Martha Freitas

September 18, 2009, 11:44pmQuote Report to

Noticia no Orkut do ALEX:


Menino de 12 anos vira menina


Um menino de 12 anos na Inglaterra retornou as aulas depois das ferias escolares como uma menina. Os professores convocaram uma reuniao de emergencia e instruiram os alunos da escola a tratarem o menino como uma menina. O menino chegou na escola usando um vestido e tinha o cabelo amarrado no estilo maria-chiquinha. Ele esta agora se preparando para receber tratamento hormonal e cirurgia para troca de sexo. Ele poderá se tornar a pessoa mais jovem a passar por este tipo de cirurgia.

os pais dos alunos estavam furiosos porque os alunos da escola estavam chorando e confusos, depois que os funcionarios da escola anunciaram que o menino agora era uma menina. Os pais dizem que o diretor da escola deveria ter informado a eles sobre a troca de sexo com antecedencia, dessa forma, eles teriam tempo para informar os filhos sobre essa questao.


O menino, agora menina, tem um banheiro e um vestiário no ginásio de esportes só para ela e a escola anunciou duras penalidades para os alunos que se recusarem a trata-la como uma menina ou esquecerem de chama-la pelo novo nome.

________________________________________________________________

Martha Freitas

September 18, 2009, 11:48pmQuote Report to

Menin@s


O caso dessa criança de 12 anos é muito comum. Pelo menos mais comum do que a maioria pensa.


A identidade de genero se forma na gestação, no cerebro basal, por condições complexas de hormonios e genes no cerebro, no meio intra-uterino.


Essa criança nasceu com uma discordancia de genero - o cerebro basal para um lado os genitais para o outro.


Essa realidade se manifesta aos poucos no desenvolvimento da criança, mas pode ser reconhecida - e no inicio da puberdade - aos 10-12 anos, plenamente reconhecida e mesmo medida.


Evidentemente O MEIO SOCIAL deve ser instruido, e deve ser aberto para receber essa criança INCOMUM, mas plenamente normal em todos os outros aspectos, mentais, sociais e existenciais, DENTRO DE SUA REALIDADE DE GENERO.


Familia, escola, meio social - cabe a eles serem abertos e receptivos - na aceitação da condição INCOMUM da criança, INCOMUM MAS PLENAMENTE NORMAL, em todos os aspectos da vida.


No caso houve talvez o erro da escola - ou escola e familia - por não terem se preparado e instruido os outros sobre a condição INCOMUM da criança.


Apenas isso.


Essa MENINA MtF - pois ela sempre se sentiu uma menina - deve ser adequada hormonal e cirurgicamente como tal, ter seu reassentamento civil corretivo, e sua vida feminina em paz - como uma mulher comum na sua sociedade.


Obrigada pela oportunidade de tocar no assunto.

___________________________________________________________________

Martha Freitas

September 18, 2009, 11:50pmQuote Report to

Só para completar.


Nenhum menino vira menina.


Mas uma pessoa com genitais masculinos pode perfeitamente desenvolver uma identidade feminina pela diferenciação de seu cérebro em fase pre-natal (MtF, e vice versa FtM), pelo que eu chamei um dia, NEURODISCORDANCIA DE GENERO.


Essa diferenciação incomum aparecerá para a familia e a sociadade; mais tarde, e PARECERÁ QUE ERA UM MENINO - E QUE ESSE MENINO VIROU UMA MENINA.


Não é verdade, ela sempre foi e se sentiu uma menina com genitais masculinos.


Ela pode vir a SE ADAPTAR A ESSA SITUAÇÃO => gerando uma condição incomum de transgenderismo ou travestilidade ?


Ela pode não se aceitar em sua condição genital => evidenciando uma situação extrema que designamos popularmente como transexualidade ?


No caso dessa MENINA MtF provavelmente ela vive uma condição EXTREMA (transexualidade) e necessita de uma readequação genital corretiva e harmonizadora.

Obrigada